2

Reflexões sobre a misericórdia

29 Mar 2016 por Gustavo Boog em Aposentadoria

O conceito da misericórdia é fácil de ser entendido. Segundo Wikipedia, misericórdia é um termo amplo que se refere a benevolênciaperdão e bondade, em uma variedade de contextos éticos, religiosos, sociais e legais. O ato de realizar ações de misericórdia, como um componente da crença religiosa, também é enfatizado através de ações como a doação de esmolas, o cuidar dos doentes e as obras de misericórdia. No contexto social e legal, a misericórdia pode se referir tanto ao comportamento compassivo por parte de quem está no poder (por exemplo, a misericórdia mostrado por um juiz no sentido de um presidiário), humanitário ou por parte de um terceiro, por exemplo, uma missão de misericórdia com o objetivo para tratar as vítimas de guerra. Misericórdia é a junção de duas palavras em latimmiseratio (compaixão) + cordis (coração). Assim, pode-se entender literalmente misericórdia, como coração compadecido.

Parece-me que o difícil é sua aplicação da vida prática, nos relacionamentos, nos momentos de confrontação. Vamos a algumas situações: fui vítima de um assalto, levaram todas minhas reservas financeiras e ameaçaram e machucaram a minha família; um colega de trabalho “puxa meu tapete”, apropria-se de uma ideia minha e consegue um reconhecimento às minhas custas; um vizinho aproveita-se sexualmente de minha filha menor de idade; eu conto com o apoio de um amigo para a realização de um projeto, ele me assegurou isto, e na hora em que mais precisava ele se negou. Como ter misericórdia com uma pessoa que pratica tais atos ou omissões?

Penso que misericórdia está intimamente ligada a ter compaixão, perdoar, ser tolerante e não julgar. Fácil de falar, difícil de praticar…

Em recente reunião num grupo de estudos, coloquei estas questões aos colegas, e obtive do grupo algumas vivências pessoais, que dão boas indicações à prática da misericórdia:

  • A misericórida de Deus é muito maior que a misericórdia dos seres humanos. Nós somos falíveis e humanos, não deuses.
  • Ser misericordioso é relativamente fácil quando há reciprocidade, quando somos misericordiosos com as pessoas que amamos. Mas, e quanto aos nossos agressores?
  • O mais difícil é sermos misericordiosos conosco mesmos, em perdoarmos nossos atos falhos e nossas omissões
  • Todos nós temos um lado sombra. Se nós vivêssemos no contexto em que viveu o agressor, seríamos capazes de cometer as mesmas agressões?
  • Qual foi o teu papel, como vítima, no contexto em que a agressão ocorreu? Fui ingênuo ao emprestar dinheiro a quem eu já sabia que não iria devolver? Quis parecer “bonzinho”?
  • Perdoar, segundo Ron Pevny não muda o passado e não significa que esquecemos o passado; pode sempre haver dor quando lembramos como fomos feridos ou como ferimos alguém; de nenhuma forma desculpa o ato que causou ferimento; não absolve o ofensor das consequências de suas ações
  • Há situações nas quais não temos nenhum controle. Orar pelo agressor é uma forma de acalmar nossa mente e coração
  • Misericórdia tem a ver com aceitação de fatos, ou seja, a constatação de como as coisas efetivamente são, não como eu gostaria que fossem. Aceitação é esse reconhecimento, e não significa passividade ou conformismo. Após a aceitação, vem a busca da resposta para “o que eu faço com isso agora?”

 

Acho que a misericórdia proposta pelo Papa Francisco tem também a ver com a construção de uma sociedade mais justa e benevolente. Veio-me à mente a música “Imagine”, de John Lennon:

 

Imagine there’s no heaven
It’s easy if you try
No hell below us
Above us only sky
Imagine all the people
Living for today

Imagine there’s no countries
It isn’t hard to do
Nothing to kill or die for
And no religion too
Imagine all the people
Living life in peace

You may say, I’m a dreamer
But I’m not the only one
I hope someday you’ll join us
And the world will be as one

Imagine no possessions
I wonder if you can
No need for greed or hunger
A Brotherhood of man
Imagine all the people
Sharing all the world

You may say, I’m a dreamer
But I’m not the only one
I hope someday you’ll join us
And the world will live as one

Imagine não haver o paraíso
É fácil se você tentar
Nenhum Inferno abaixo de nós
Acima de nós, só o céu
Imagine todas as pessoas
Vivendo o presente

Imagine que não houvesse nenhum país
Não é difícil imaginar
Nenhum motivo para matar ou morrer
E nem religião, também
Imagine todas as pessoas
Vivendo a vida em paz

Você pode dizer que eu sou um sonhador
Mas eu não sou o único
Espero que um dia você junte-se a nós
E o mundo será como um só

Imagine que não ha posses
Eu me pergunto se você pode
Sem a necessidade de ganância ou fome
Uma irmandade dos homens
Imagine todas as pessoas
Partilhando todo o mundo

Você pode dizer que eu sou um sonhador
Mas eu não sou o único
Espero que um dia você junte-se a nós
E o mundo viverá como um só

COMPARTILHE

  • 1513 Visualizações

ESCRITO POR

Gustavo Boog

Gustavo é escritor e coach, apoia pessoas, idosas ou não, a tomarem decisões para serem mais plenas, terem clareza de objetivos e de significados de vida. Conduz palestras e workshops sobre temas comportamentais, criou o grupo “Mais Velhos, Mais Sábios” no Facebook. É escritor de mais de 20 livros e E-Books sobre desenvolvimento pessoal e organizacional. Fones: (11) 5183-5187 ou 5183-5096 Celular: (11) 99137-7691

Perfil do Autor
COMMENTS

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.