2

Para não cair no conto da conta falsa

05 Sep 2014 por Redação em Dicas

Conferir detalhadamente a nota de despesa do restaurante ou de um barzinho pode até parecer hábito de gente chata, que faz conta de centavos. Mas não é. Ao checar tintim por tintim você não só protege o seu dinheiro de errinhos nem sempre muito inocentes de alguns estabelecimentos, como evita cair no golpe da memória secreta da calculadora, usado para embutir valores adicionais na nota sem que você perceba.

E o roubo pode ser dos grandes.

Some os valores da ilustração acima – uma nota de 2010, emitida por um restaurante situado em zona nobre da cidade de São Paulo – e veja a diferença. O resultado da soma de 2,90 + 5,80 + 33,60 + 4,50 + 18,80 + 18,80 + 23,00 + 3,90 é R$ 111,30 e não R$ 173,20 que serviu como base para a cobrança dos 10% de praxe. A conta total, somada ao serviço seria R$ 122, 43 e não R$ 190,52. Só nesta mesa, a diferença pró-ladrão foi de R$ 68,09. Imagine a quanto chegou a fatura só neste dia.

Como funciona o golpe

Algumas calculadoras podem ser adulteradas, permitindo que seja inseridos valores na memória, que se somam à conta mas ficam completamente invisíveis quando impressas.  E se o consumidor percebe o erro, é fácil para o estabelecimento alegar falha técnica na máquina de calcular; nada que um pedido de desculpas não conserte. Ou seja, o risco de ser pego na boca da botija é quase zero.

Os alertas para esse tipo de golpe correm nas redes sociais, demonstrando que sua aplicação não se limitou a um único restaurante. Há reclamações vindas do Rio de Janeiro, do Espírito Santo e do Rio Grande do Sul. Portanto, o melhor é gastar um tempinho e conferir a despesa.

Lembre-se: o telefone celular tem calculadora. Use-a. E se você souber de algum caso semelhante, denuncie aqui.


COMPARTILHE

  • 1230 Visualizações

ESCRITO POR

Redação

Perfil do Autor
COMMENTS
  1. yty449@gmail.com'

    Ruy

    Eu confiro, somo, multiplico, divido. Já encontrei muita conta errada… sempre para mais!!! Óbvio que erros acontecem, mas essa que vou relatar me chamou a atenção repetição do “erro”.
    Aconteceu num boteco de grande movimento. A conta foi apresentada numa fita de papel grampeada a um outro pedaço de papel onde, com uma caneta, estava escrito o valor total mais os 10% do serviço. Aí veio o truque. Os R$ 137,80 originais da minha conta viraram no papelucho grampeado R$173,80 + 17, 38 = R$ 191,18. Quando reclamei que o total era R$137,80 e não R$173,80, o garçon disse que o rapaz do caixa se confundiu … Algum tempo depois, no mesmo bar, aconteceu a mesma coisa. Então deixamos de ir a esse local porque, ao que parece, deve ser uma prática contumaz.

  2. vateautbrito@gmail.com'

    vateau toscano de brito

    Infelizmente a cultura da desonestidade nos leva ao incoveniete e deselegante obrigação de somar

Deixe um comentário